Como foi a participação do Brasil no Campeonato Mundial de Pokémon 2022

Como foi a participação do Brasil no Campeonato Mundial de Pokémon 2022

O Campeonato Mundial de Pokémon 2022 aconteceu entre os dias 18 e 21 de agosto e contou a participação de vários Treinadores brasileiros nas modalidades de Pokémon VGC, TCG, GO e Unite. O site Jogada Excelente convidou os criadores de conteúdo BRTTar, KatoPlay e Wsneto para comentar sobre o desempenho do Brasil na competição. Confira o artigo no íntegra e saiba mais sobre como foi o torneio.

POKÉMON GO

Por: Kaio Arena – Jogada Excelente
Patricky Albani e Gustavo Zarddy no Campeonato Mundial de Pokémon GO
Gustavo Zarddy e Patricky Albani no Campeonato Mundial de Pokémon 2022 (Imagem: twitch.tv/Pokemon)

A competição de Pokémon GO no Campeonato Mundial de 2022 foi dividida em 3 dias. Na quinta-feira houve um Last Chance Qualifier, onde Treinadores que se inscreveram previamente poderiam batalhar pelas 2 últimas vagas para o Mundial. Nesse dia fomos representados por Azaray, que mora na Escócia mas é filho de mãe brasileira.

O LCQ teve o formato de double-elimination, onde todos Treinadores começam em uma chave única e os que perdem caem para a losers bracket, também conhecida como chave dos perdedores. Se o Treinador vencer o confronto, ele segue em frente na chave com quem também ganhou suas batalhas. Se o Treinador que caiu de chave perder mais uma luta, ele é eliminado da competição, mas se continuar vencendo confrontos, pode finalizar como líder da losers e voltar para a chave dos vencedores na final.

Além disso, a competição seguiu o padrão show-six-pick-three, onde os Treinadores registram um time de seis Pokémon e escolhem quais três irão usar durante o partida. Esse formato é muito conhecido por Treinadores que participam de torneios não-oficiais organizados pela Silph Road.

Infelizmente após ganhar 3 combates seguidos, Azaray caiu de chave e perdeu o confronto da losers, sendo eliminado e não conseguindo sua vaga no Mundial.

O Dia 1 da competição de Pokémon GO, que aconteceu na sexta-feira, também seguiu o formato de double-elimination e contou a participação dos brasileiros Gustavo Zarddy e Patricky Albani, que conquistaram as vagas para o Mundial ao ficarem em primeiro e segundo lugar, respectivamente, no Regional de Joinville que aconteceu em maio desse ano.

Patricky foi o primeiro a jogar, inclusive tendo sua partida transmitida ao vivo, mas infelizmente perdeu por 1-2 para Pokesquark e em seguida para RogerChen40 pelo mesmo placar. Como o formato é de dupla eliminação, o brasileiro não poderia seguir na competição após as duas derrotas e terminou a competição entre os 47 melhores do mundo.

Gustavo Zarddy no Campeonato Mundial de Pokémon GO
Gustavo Zarddy e Statastan no Campeonato Mundial de Pokémon 2022 (Imagem: twitch.tv/Pokemon)

Com seu time composto por Walrein, Nidoqueen Sombrosa, Azumarill, Deoxys Defesa, Cofagrigus e Obstagoon, Gustavo Zarddy conseguiu sua primeira vitória por 2-0 contra KaiserTener, a segunda por 2-1 contra Statastan, e a terceira vitória, também por 2-1, em uma batalha emocionante contra ItsAXN, que vinha invicto do Internacional da América do Norte.

As três vitórias do Dia 1 permitiram que Zarddy seguisse para o TOP 8 no Dia 2, com o TOP 6 Mundial já garantido. E foi nessa posição que ele terminou a competição após perder para CrescentAngels, do Japão, e para DancingRob, da Alemanha, por 0-2.

DancingRob que inclusive foi coroado Campeão Mundial de Pokémon GO 2022 com seu time de Medicham, Lickitung, Venusaur Sombroso, Swampert Sombroso, Ninetales de Alola e Stunfisk de Galar, após vencer 2 melhores de 5 contra godanhada da Coreia do Sul.

Além do alemão na divisão Masters, Meweedle, da Suiça, foi o Campeão Mundial de Pokémon GO 2022 na divisão Senior. Para a temporada de 2023, Treinadores não serão divididos em categorias de idade no Pokémon GO.

E assim foi a participação dos nossos brasileiros no Mundial de Pokémon GO 2022 e posso dizer, com toda certeza, que estamos extremamente orgulhosos. Quem os acompanhou de perto, sabe que a trajetória até lá não foi fácil, mas a recompensa foi gigante. Não só para eles, mas para toda comunidade brasileira que está se sentindo profundamente inspirada. Obrigado, meninos!

POKÉMON UNITE

Por: Wsneto

Desde que os grupos foram anunciados, sabíamos que o caminho da XIS seria complicado. Enfrentar dois dos times que considerávamos mais fortes (Nouns Esports e IX Gaming) não seria moleza, mas isso não nos impediu de torcer o tempo todo para que os meninos trouxessem o titulo para o Brasil. Em troca disso, os jogadores da XIS continuaram a mostrar o estilo que os tornou campeões de todos os regionais nacionais, querendo jogar ofensivamente e tentando rotações e picks fortes e que se sentiam confortáveis.

Bem, por mais que o resultado não tenha sido o esperado e que tenhamos ficado de fora do campeonato ainda na fase de grupos, a XIS volta para o Brasil com potencial de ser ainda mais forte e um como um desafio maior para os times locais.

Falando das finais, tivemos a o confronto entre BLVKHVND (Black Hand) contra NOUNS ESPORTS, respectivamente representando a região Norte Americana e a região Europeia, mostrando que o primeiro mundial teria um campeão ocidental.

BLVKHVND tinha perdido somente 1 jogo de uma melhor de 3 durante todo o torneio e estava vindo embalada para vencer. Do outro lado a NOUNS ESPORTS jogava com apoio da torcida e o carisma do central ADESu e seus picks variados.

Mas, nem os picks nem o carisma de ADESu foram suficientes para parar o time da BLVKHVND que com um desempenho MONTRUOSO de Overlord e JungleBook colocaram no BOLSO, essa vitória, com um incrível 3×0.

BlackHand Campeã no Campeonato Mundial de Pokémon Unite 2022
Equipe BLVCKHVND Campeã do Mundial de Pokémon Unite 2022 (Imagem: twitch.tv/Pokemon)

O Primeiro Mundial de Unite foi cheio de surpresas, experiências e testes. No fim, a taça foi para região Norte Americana mas em 2023, com o Mundial anunciado no Japão, vamos estar na torcida para que Brasil atravesse o planeta e traga o título para cá.

Obrigado XIS! Vocês são brabos #FazOXIS #BRASILUNITE #TIMEBRASILPOKEMON

POKÉMON TCG

Por: Allan Cruz – KatoPlay
Otavio Gouveia no Campeonato Mundial de Pokémon TCG 2022
Otavio Gouveia no Campeonato Mundial de Pokémon 2022 (Imagem: twitch.tv/Pokemon)

No dia 18 de agosto teve início o Campeonato Mundial de Pokémon, que não era realizado desde 2019 quando teve sua última edição em Washington, nos Estados Unidos. Esse ano tivemos um formato diferente de torneio no TCG por conta do adiamento do torneio que seria realizado em 2020. Antes, o torneio começava na sexta-feira e terminava no domingo. Este ano teve início na quinta-feira, um dia antes do normal.

Os jogadores que estavam garantidos para o Mundial com a pontuação da temporada 2020 foram classificados para o Dia 1 e precisariam de 18 pontos ou mais para passar para o Dia 2. No final do dia, 55 jogadores alcançaram essa pontuação. No Dia 2 tivemos 451 jogadores, somando os que se classificaram no Dia 1 e os que garantiram vaga direto para o Dia 2 pelo Ranking Regional. Esses 451 jogadores batalharam até que fosse formado o Top 8 que seria disputado no Dia 3. 

Chegamos ao Dia 3 com os 9 melhores jogadores de Pokémon TCG do mundo, e vocês não estão lendo errado. Nove jogadores conquistaram a classificação, porém apenas 8 fariam o Top para decidir os finalistas. O nono jogador foi o americano Calvin Connor que enfrentou o oitavo colocado, o brasileiro Otavio Gouveia.

A partida de entrada para o Top 8 foi um pouco tensa do meio para o final, com uma mirror de Palkia/Inteleon muito bem jogada pelos dois. Calvin começou a partida com um Manaphy ativo e apenas ligou uma energia de água para que, no próximo turno, pudesse recuar com facilidade. Otavinho começou bem o jogo conseguindo montar seu campo com dois Sobble, dois Palkia V e 1 Greninja Radiante, prezando por consistência.

A partida se desenrolou dessa forma, com Otavinho mantendo consistência e Calvin jogando travado, até que o americano fez uma Roxanne bem colocada que conseguiu travar o jogo de Otavio e assim finalizar o game one com vitória. No segundo game o americano conseguiu jogar melhor, mas a partida se manteve equilibrada até que Otavinho conseguiu finalizar com empate e levando o confronto para o terceiro game, onde conseguiria a vitória e sua vaga no Top 8 do Mundial de Pokémon TCG. 

Otavio Gouveia contra Daichi Shimada no Campeonato Mundial de Pokémon TCG 2022 02
Otavio Gouveia e Daichi Shimada no Campeonato Mundial de Pokémon 2022 (Imagem: twitch.tv/Pokemon)

Agora seu desafio era contra o japonês Daichi Shimada, que até aquele momento estava invicto com 9 vitórias e 1 empate. E aqui não deu para o Otavinho. Daichi jogou com uma lista que chegou bem até a final do torneio. Um deck de Arceus/Decidueye de Hisui/Flying Pikachu.

Arceus V-Star é um deck consolidado como um dos melhores da atualidade, consegue manter um bom dano com seu ataque que causa 200 de dano e ainda pode energizar até 3 energias básicas do seu deck a um dos seus Pokémon em jogo, um ataque extremamente forte que faz com que o jogador possa preparar um segundo atacante com muita tranquilidade.

E foi essa tranquilidade que fez com que o japonês pudesse montar facilmente o Flying Pikachu que causa dano dobrado na fraqueza do Palkia-Vstar do brasileiro. Ainda tivemos outro agravante para esse match: Jolteon com habilidade de parar as habilidades de Pokémon do tipo Água usados por Otavio, barrando qualquer uso de Drizzile, Greninja Radiante, Inteleon e Palkia V-Star (que tem um V-Star Power muito forte que permite ligar até 3 energias de água da sua pilha de descarte a um dos seus Pokémon).

Sem poder usar habilidades e tomando dano dobrado dos ataques do seu oponente, Otavinho sofreu para jogar contra Daichi e infelizmente caiu no Top 8, sendo o segundo jogador brasileiro da Masters a conseguir chegar nessa colocação no Mundial, que anteriormente só havia sido alcançada por Gustavo Wada. Um feito muito importante pro nosso cenário competitivo, mostrando cada vez mais a nossa força dentro do jogo. 

A final foi disputada entre Daichi Shimada e Ondřej Škubal, da Tchéquia, com uma mirror de Arceus/Flying Pikachu interessante, onde os 2 jogadores estavam focados em montar seus Decidueye de Hisui e tentar fugir da fraqueza do Pikachu, que por ser Vmax, dá uma quantidade de prêmios maior no nocaute. Aqui deu melhor para Ondřej, que conseguiu finalizar a partida depois de travar o jogo de Daichi usando Trilha para o Cume, que bloqueia as habilidades do Pokémon com caixa de regra.

O japonês tentou montar seu jogo atacando com Arceus e energizando Decidueye para ter um atacante que iria finalizar com tranquilidade o Arceus oponente. Porém, o dia estava brilhando para o Ondrej que não deu muita chance para o Daichi, montando um banco mais consistente e deixando o japonês sem muitas opções, terminando com 2×0 e se tornando Campeão Mundial de Pokémon TCG em 2022.

Ondrej Skubal Campeã no Campeonato Mundial de Pokémon TCG 2022
Ondřej Škubal recebe troféu no Campeonato Mundial de Pokémon 2022 (Imagem: twitch.tv/Pokemon)

Não posso esquecer que além do Otavinho tivemos ainda Marcelo Turra na Júnior garantindo o Top 8 e João Gabriel na Sênior, que também garantiu Top 8. Esse ano os brasileiros representaram muito bem em todos os jogos, não somente no TCG. Parabéns a todos!

Pokémon VGC MASTERS DIVISION

Por: BRTTar
Eduardo Cunha e Guillermo Diaz no Campeonato Mundial de Pokémon VGC 2022
Eduardo Cunha e Guillermo Diaz se enfrentam no Campeonato Mundial de Pokémon VGC 2022 (Imagem: twitch.tv/Pokemon)

A edição do Campeonato Mundial de Pokémon do ano de 2022 foi a primeira a acontecer longe do continente americano, sendo realizado no último final de semana, entre os dias 18 e 21 de Agosto, em Londres. Esse torneio colocou fim uma temporada que vinha se arrastando desde o final do ano de 2019 e que ficou paralisada desde o começo do ano de 2021 por conta da pandemia.

O evento mais aguardado de todos os tempos teve algumas novidades, dentre elas a divisão da competição em quatro dias (nos mundiais anteriores tudo acontecia em três dias). Os jogadores com as melhores campanhas no decorrer da temporada se classificaram diretamente para o Dia 2 e todos jogadores que terminassem o Dia 1 com até 2 derrotas também avançariam para o dia seguinte. Já no Dia 2 todos jogadores com até 2 derrotas avançavam para o topcut que aconteceria no Dia 3, e o quarto dia estava reservado para a grande final.

A delegação brasileira partiu para Londres com quatro representantes: Raul Gioielli, Hugo Nascimento e Gustavo Braz disputariam o primeiro dia e Gabriel Agati já estava classificado para o Dia 2.

Por falar no Agati, até o mundial de 2019, nenhum brasileiro jamais havia pisado no Dia 2, até que naquele ano, ele quebrou essa escrita, conseguindo inclusive se classificar para o topcut e terminar o mundial com um expressivo 10º lugar.

RESUMÃO DO QUE FUNCIONOU E DO QUE FLOPOU

Apesar de muito dominante durante toda a temporada, principalmente após o Campeonato Internacional da Europa, o Rinya Sun, como ficou conhecido o time de sol mais famoso do formato, não teve resultados muito expressivos.

Kyogre é um Pokémon que apesar de bons resultados, acabou sem conquistar o título em nenhuma das três categorias. Ponto alto fica para a dupla Zacian e Calyrex-Shadow-Rider que se consagraram campeões em duas das três categorias.

COMO FOI A DISPUTA?

DIA 1: O COMEÇO DE UM SONHO

Os três brasileiros chegaram na disputa buscando melhorar seus resultados, já que todos haviam participado de Mundiais de Pokémon em pelo menos uma das edições anteriores. Para isso teriam que passar por 8 rounds no formato suíço, três derrotas significaria a desclassificação.

Foi um começo muito difícil para os brasileiros e já na abertura da terceira rodada, Gustavo Braz estava com um score de 0-2, à beira da eliminação. Hugo estava invicto até o momento com 2-0 e Raul com um score de 1-1, porém o destino o reservava a ingrata missão de enfrentar ninguém menos do que Wolfe Glick no terceiro round.

No final do terceiro round, foi confirmada a eliminação de Gustavo Braz, além de Raul, que sucumbiu para o campeão mundial de 2016, e a partir dali não poderia mais errar se quisesse manter vivo o sonho da classificação. Enquanto isso, Hugo confirmava a boa fase com a terceira vitória consecutiva.

Infelizmente para Raul, a terceira derrota veio na rodada seguinte e ele também foi eliminado da disputa, restando a Hugo buscar a classificação e se tornar o primeiro brasileiro da história a ganhar uma vaga para o Dia 2 através das disputas do Dia 1. Era o que parecia se encaminhar já que, após garantir mais uma vitória, o brasileiro assegurou um score de 4-0 e precisava de apenas 2 vitórias nos últimos 4 jogos para carimbar seu passaporte para o segundo dia da competição.

No quinto round, Hugo encarou o primeiro de uma série de três jogadores japoneses que viria a enfrentar e aqui amargou a primeira derrota do dia. Nessa altura da competição muitos jogadores dados como favoritos já haviam sido eliminados como o norte-americano Wolfe Glick e o britânico Jamie Boyt.

Nas duas rodadas seguintes veríamos o nosso último guerreiro dar adeus à disputa sendo superado pelos outros dois jogadores do Japão, ficando assim com 3 derrotas.

Apesar de ter caído, não podemos deixar de enaltecer a campanha de Hugo, que fechou o Dia 1 com um score de 5-3, um dos melhores resultados brasileiros da história no primeiro dia de competições.

DIA 2: DUELOS ENTRE TITÃS

Depois de um dia 1 sem competidores brasileiros avançando, restou ao público do Brasil apostar suas fichas em dois jogadores, Gabriel Agati, melhor brasileiro de todos os tempos e no português Eduardo Cunha, que apesar de não ser brasileiro possui uma forte ligação com o país, tendo muitos amigos por aqui.

E logo na primeira rodada já tivemos a infelicidade de ver Agati abrir a série com derrota para um jogador japonês. Em contrapartida, Eduardo abriu sua caminhada com vitória diante de Francesco Pardini, famoso jogador italiano.

No round 2, os dois jogadores enfrentariam mais oponentes advindos do Japão. Seria um indício de mais derrotas vindo por aí? Hoje não! Tanto Gabriel quanto Eduardo venceram suas partidas e continuaram na disputa. E por falar em jogador japonês, ao final desse round, o campeão do último Mundial, Naoto Mizobushi, estava com duas derrotas e cada vez mais perto de ser eliminado.

Os dois jogadores seguiram empilhando vitórias até que, no quinto round, Agati foi pareado com Flavio Del Pidio, um dos melhores jogadores italianos e ex-campeão europeu, e acabou caindo pela segunda vez, ficando com o score de 3-2. Enquanto isso, Edu conquistou sua quinta vitória.

Agati ainda venceria a próxima partida, mas acabaria eliminado no round seguinte ao ser derrotado pelo americano Paul Chua. Já Eduardo terminaria o Dia 2 invicto, com um cartel de 8 vitórias.

DIA 3: PERDEU TÁ FORA!

No dia 3 começamos a fase mata-mata do torneio, perder significava dar adeus à competição. Na disputa pelo TOP 16, Eduardo Cunha enfrentou o italiano Flavio Del Pidio, que havia vencido Gabriel Agati na quinta rodada do Dia 2, e venceu por 2-1.

No TOP 8 o destino quis que o caminho de Edu cruzasse com o do atual Campeão Mundial, Naoto Mizobushi, que havia se classificado de forma espetacular no dia anterior. Mas nem todo o talento e a frieza do japonês foram capazes de vencer o português, que se classificou para o TOP 4 e nessa altura já havia garantido pelo menos repetir o seu melhor resultado em Mundiais, um quarto lugar em 2016.

Para chegar a final, o jogador luso precisaria passar pelo norte americano Paul Chua, carrasco do brasileiro Gabriel Agati na fase anterior e apesar de uma disputa apertada, cheia de sorte a favor do americano, Eduardo se classificou para a sua primeira final de um Mundial.

DIA 4: PRÉVIA DE SCARLET E VIOLET NA FINAL

Arceus trabalhou muito bem para direcionar as coisas no Mundial e termos uma final entre Portugal e Espanha, no ano em que esses países serão representados como a região de Paldea nos novos jogos da série principal, Pokémon Scarlet e Pokémon Violet.

Curiosidades a parte, os jogadores Eduardo Cunha e Guillermo Castillo fizeram uma final digna da expectativa criada para esse Mundial. 

No primeiro jogo da série, mesmo contando com muito azar por seu Rilaboom dormir 3 turnos após ser atingido por um Hipnosis e de seu Zacian ser queimado após ser atingido por um Flamethrower, Eduardo conseguiu se superar e garantir a vitória.

Já no jogo 2, tudo indicava que teríamos o final do confronto, com Eduardo próximo de fechar o jogo, mas uma reviravolta colocou o espanhol de volta à partida, forçando assim o jogo 3.

Por fim, no jogo derradeiro, o português jogou com uma perfeição poucas vezes antes vista, e se sagrou Campeão Mundial de Pokémon VGC em 2022. Fato interessante é que ao se tornar Campeão invicto, Eduardo Cunha repetiu um feito que só havia sido realizado uma única vez na história, com Ray Rizzo em 2012.

Eduardo Cunha no Campeonato Mundial de Pokémon VGC 2022
Eduardo Cunha Campeão Mundial de Pokémon VGC 2022 (Imagem: twitch.tv/Pokemon)

E assim encerrava-se uma temporada cheia de percalços, mas que culminou em um dos Mundiais de Pokémon mais aguardados da história.

Temporada competitiva 2023

Durante o Mundial, foi anunciado que a temporada 2023 já começa em setembro de 2022, com Regional de TCG e GO em Porto Alegre e Internacional de TCG e GO em São Paulo em novembro de 2022. Essas competições são as principais maneiras de você conseguir garantir uma vaga para o Mundial de 2023, que acontecerá em Yokohama, no Japão.

Onde encontrar os colaboradores dessa matéria

BRTTar

https://twitter.com/BrTtar

KatoPlay

https://twitter.com/KatoPlayTCG

https://www.instagram.com/katoplay

Wsneto

https://twitter.com/Wsneto